Cidades

Cinco sindicatos de Cianorte aderem à greve geral marcada para sexta-feira

Segundo os movimentos, a prioridade é que os trabalhadores "cruzem os braços" nesta sexta-feira
(Foto: Martins Neto / Tribuna de Cianorte)

Nesta sexta-feira, 14, trabalhadores e trabalhadoras de várias categorias e de diversas regiões brasileiras vão cruzar os braços. A greve tem como foco protestar contra a Reforma da Previdência e os cortes na Educação Pública, mas também entrarão em pauta outros temas, como por exemplo, o pagamento da data base e a valorização das categorias. Em Cianorte, os sindicatos dos professores, das costureiras, dos bancários, da construção civil e da alimentação já confirmaram que irão aderir ao ato.

Na Capital do Vestuário, os trabalhadores farão uma concentração, às 15 horas, na Praça Senador Morais de Barros, no centro, para chamar a atenção da população quanto às reivindicações. Em seguida, sairão em passeata pelas avenidas da cidade.

De acordo com a presidente do Sindicato dos trabalhadores nas indústrias de confecção, bordados, preparação e acabamentos de roupas, oficiais alfaiates e costureiras de Cianorte e região (Sindcost), Elizabete de Matos, a população não está devidamente orientada no que se diz respeito à Reforma da Previdência.

 “A nossa pauta principal é a Reforma da Previdência que, na verdade, não é uma reforma, mas o fim de um estado social de direito. A população ainda não entendeu isso e acaba sendo influenciada pelo o que a mídia fala. Temos que entender que a mídia atende os interesses dos seus ‘clientes’ e não da população. A reforma não afetará apenas os trabalhadores, mas também a população de um modo geral” afirma Elizabete Matos.

Preocupada com o futuro, caso a Reforma seja aprovada, Elizabete faz um alerta direcionado ao município de Cianorte.

“Precisamos passar para a população o que realmente está acontecendo, porque muitos municípios vão ‘quebrar’, inclusive o nosso. Gostaria muito de ver lá (no ato) não só os trabalhadores, mas também as empresas. Inclusive, o poder público deveria se preocupar e muito, pois vão cair as receitas do município” afirma Elizabete Matos.

PARANÁ

No Paraná, mais de 30 categorias poderão ter seus serviços paralisados nesta sexta-feira, 14.  Segundo o Comitê Unificado da Greve Geral no Paraná, estão previstos atos ao longo do dia, envolvendo metalúrgicos, professores, servidores, bancários, trabalhadores da área de segurança pública, entre outras categorias. Ainda de acordo com o comitê, o número de categorias pode ser ainda maior. (Com informações Bem Paraná)